SÃO PAULO – Com base em trechos recém divulgados da delação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), o ministro-substituto André Luís de Carvalho, do TCU (Tribunal de Contas da União), pediu que a corte inclua a presidente Dilma Rousseff e outros ex-conselheiros da Petrobras (PETR3; PETR4) entre os responsáveis por prejuízo milionário na compra da Refinaria de Pasadena, nos EUA, segundo informações de O Estado de S. Paulo. Dilma era presidente do conselho de administração da Petrobras, em 2006, quando aprovou a compra da refinaria que gerou um prejuízo de US$ 792 milhões à estatal. Conforme recente reportagem da revista IstoÉ, Delcídio teria contradito Dilma, que alega que só votou pela compra porque foi enganada por um parecer falho, que omitia cláusulas prejudiciais à companhia. No depoimento, o senador disse que a presidente sabia das irregularidades envolvendo a compra da refinaria. Segundo ele, a compra foi feita com conhecimento de todos, “sem exceção”. Após a publicação, a presidente Dilma rechaçou os argumentos do delator, reafirmando que não tinha conhecimento das irregularidades. O TCU concluiu que houve várias irregularidades na compra da refinaria, mas condenou apenas ex-executivos da Petrobras, sendo que, dez deles, estão com bens bloqueados e respondem a tomadas de contas especiais (TCEs) – processos que visam confirmar a responsabilidade e o valor dos danos causados. Os ministros da corte, contudo, ponderaram na ocasião que a responsabilidade dos ex-conselheiros voltaria a ser avaliada se surgissem novos elementos.

 

Fonte: Infomoney

Comentários

Comentários